Give us a call
808 200 333

Centro de Contacto - Dias úteis das 9h às 18h

Dias úteis das 9h às 18h

Alimentação e Lipedema: qual a relação?

Alimentação e Lipedema: qual a relação?
Alimentação e Lipedema: qual a relação?
Partilhar:
Partilhar:

Mesmo que nunca tenha ouvido falar do nome Lipedema, possivelmente, já se cruzou com algumas pessoas portadoras desta doença sem que o soubesse.

Nesta altura do verão, é muito comum, onde as roupas são mais curtas e os membros inferiores e superiores estão à vista. 

Mas sabe o que é Lipedema?

Lipedema (do grego lipo, gordura), caracteriza-se por ser uma doença crónica que afeta principalmente mulheres e manifesta-se através da acumulação desproporcional de gordura em determinadas zonas do corpo – maioritariamente pernas, mas também braços. Associada a essa acumulação de gordura, há ainda extrema sensibilidade ao toque e dor à pressão, propensão para hematomas, sensação de pernas pesadas e pés e mãos finos, por não incharem.

Não se sabe ao certo o que leva ao aparecimento do Lipedema, mas pensa-se ter carga genética e que pode ser “ativado” em alturas de maior mudança hormonal (puberdade, gravidez ou menopausa). Existem vários estadios da doença, de acordo com a gravidade da mesma, e seu diagnóstico é feito através de um exame físico e anamnese realizados por um médico.

Apesar de importantes, o desporto, a alimentação saudável ou as dietas têm um efeito reduzido nas regiões afetadas. O volume não diminui ou não é significativo.

 

5 Cuidados que podem ajudar a melhorar o quadro clínico

No entanto, alguns cuidados alimentares podem ajudar a melhorar o quadro clínico, como:

– Reduzir o consumo de gorduras no geral e quando consumir, privilegiar gorduras mais saudáveis (por exemplo, azeite, abacate, frutos gordos) e fontes de ómega-3 (por exemplo, peixes gordos, sementes chia, linhaça, frutos gordos);

– Privilegiar alimentos com baixa carga glicémica, minimizando o pico de insulina causado por alimento que contém hidratos de carbono;

– Privilegiar o consumo de frutas e hortícolas;

– Reduzir o consumo de sal, reduzindo também a retenção de líquidos e o inchaço associado;

– Reduzir o consumo de açucares simples e farinhas brancas, preferindo os alimentos integrais.

– Reduzir o consumo de alimentos processados e privilegiar o consumo de alimentos frescos;

 

Ainda que não sendo capaz de solucionar totalmente o problema, já que a redução de gordura não acontecerá, de forma tão significativa, nos membros afetados, uma alimentação saudável e a prática de atividade física podem ajudar no tratamento do Lipedema.

É importante ter em consideração que a inflamação contribui para o desenvolvimento da doença e que, um estilo de vida saudável que permita o bom funcionamento do organismo é essencial para minimizar a sua progressão.

Atualmente o tratamento do Lipedema pode incluir medicação adequada, terapias de compressão (como drenagem linfática manual) ou mesmo cirurgia, para aspiração de gordura das áreas afetadas.

Se desse lado se identificou com alguns dos sintomas descritos, nada melhor que fazer uma avaliação junto do seu médico para perceber qual a origem dos mesmos.

E se precisar de apoio para melhorar a sua alimentação, esteja ou não na presença da doença, a Dieta3Passos®️ está cá para o ajudar: clique aqui e comece hoje mesmo >-

Comece agora a fazer por si