gordura abdominal

Sabe-se que a gordura abdominal não é apenas uma questão de estética, mas acima de tudo um problema de saúde.

É na barriga que acumula mais gordura? Descubra porque é que esta é tão perigosa e porque deve diminuir o seu perímetro abdominal o mais rápido possível.

Os diferentes tipos de gordura

Existem dois grandes tipos de gordura: a gordura subcutânea e a gordura visceral.

A gordura subcutânea está distribuída por todo o corpo, por baixo da superfície da pele. Por sua vez, a gordura visceral localiza-se na zona abdominal, envolvendo os órgãos e dificultando o seu funcionamento.

Os fatores que influenciam a acumulação de gordura abdominal

A localização da gordura no corpo é influenciada por vários fatores, como a genética e a função hormonal. Um exemplo disto é o facto da gordura abdominal ser muito comum em idosos pois, durante o processo de envelhecimento, a gordura corporal é redistribuída para a região abdominal.

O sexo também pode ser um fator preponderante na distribuição de gordura. Em média, mulheres na pré-menopausa têm metade da gordura abdominal dos homens da mesma idade. Esta diferença deve-se, em grande parte, à forma do corpo que é bastante diferente entre homens e mulheres. Enquanto as mulheres geralmente têm mais gordura corporal total, esta gordura é frequentemente distribuída por todo o corpo (peito, anca, pernas, abdómen). Por outro lado, os homens carregam o excesso de peso predominantemente na região abdominal.

Os problemas de saúde associados à gordura abdominal

É sabido que a obesidade está associada a um elevado risco de doenças cardiovasculares, contudo estudos recentes têm demonstrado que mesmo pessoas com peso normal estão em risco de desenvolver doenças cardiovasculares se tiverem um excesso de gordura abdominal.

Quando a gordura está acumulada na zona abdominal, existem vários riscos de saúde associados que estão aumentados:

  • Inflamação
  • Risco de doenças cardiovasculares
  • Resistência à insulina e, consequentemente, risco de Diabetes Mellitus tipo 2
  • Hipertensão arterial
  • Risco de cancro da mama
  • Níveis de triglicerídeos
  • Níveis de colesterol LDL (o colesterol “mau”) e diminuição dos níveis de colesterol HDL (o colesterol “bom”)

O que fazer?

A forma como a gordura está distribuída no corpo, principalmente no caso de mulheres, consegue descrever melhor o risco de doenças cardiovasculares do que medidas de obesidade gerais.

Efetivamente, basta uma redução de 3 cm no perímetro abdominal para haver uma diminuição imediata no risco de sofrer doenças cardiovasculares.

Deste modo, o ideal é praticar exercício físico regularmente e ter bons hábitos alimentares. Aconselhe-se com o nutricionista DIETA3PASSOS mais perto de si!