Jejum intermitente na perda de peso: sim ou não?

 

O Jejum Intermitente (JI) tornou-se famoso e ganhou popularidade como uma estratégia de perda de peso.

Mas será assim? Vamos esclarecer!

 

TIPOS DE JEJUM INTERMITENTE

Existem diferentes tipos de JI com vários períodos de jejum e não jejum, entre os quais destacamos:

  • Jejum de 24 horas - 24h de privação alimentar em 2 dias não consecutivos por semana;
  • Jejum diário - alternando horas de jejum com períodos de ingestão alimentar no mesmo dia (por exemplo: 16h de jejum + 8h de janela alimentar ou 12h de jejum + 12h de janela alimentar);
  • Jejum em dias alternados - alternando dias de alimentação regular com dias de restrição calórica severa;

 

JEJUM SIGNIFICA NÃO COMER NADA?

Durante o período de jejum, o consumo calórico geralmente varia de 0 a 25% das necessidades energéticas. Já no período de alimentação, este pode ser ad libitum (“à vontade”), restrito a um plano alimentar ou ingestão calórica específica, ou até 125% das necessidades energéticas.

O protocolo de JI pode ser utilizado por si só ou em conjunto com outras estratégias alimentares que potenciem o emagrecimento.

Existe relação entre o JI e a perda de peso?

O JI pode ser eficaz na perda de peso embora não seja necessariamente melhor do que outros métodos de redução ponderal.  No que diz respeito a esta questão, a resposta continua a ser o balanço energético negativo, ou seja, é determinante que a energia consumida seja inferior ao dispêndio energético.

 

O JEJUM PODE AJUDAR NO APORTE ENERGÉTICO NEGATIVO?

Sim, na medida em que restringe a ingestão energética, no entanto, a evidência atual sugere que é tão eficaz como uma restrição energética contínua desde que o balanço energético negativo seja alcançado.

 

Será o jejum intermitente adequado para si?

Algumas condições clínicas são contraindicadas para a realização de JI:

  • Ter diabetes mal controlada e/ou fazer medicação para a diabetes;
  • Histórico de distúrbios alimentares (poderá servir de gatilho para agravar os comportamentos patológicos);
  • Grávidas ou a amamentar;
  • Atletas de resistência;
  • Medicação que dependa de alimentos para absorção.

Por questões de segurança, deverá ser feito com acompanhamento de um Nutricionista, uma vez que a ingestão alimentar nos períodos designados, é tão ou mais importante que os períodos de jejum.

 

BENEFÍCIOS

Os benefícios do JI para o emagrecimento devem-se ao facto de o jejum provocar cetose, um processo fisiológico que obriga o corpo a produzir energia usando gordura armazenada, mas também por estimular a produção da hormona da saciedade (leptina), levando à diminuição do apetite. Para além disso, parece ter efeitos positivos na sensibilidade à insulina, perfil lipídico e inflamação.

No entanto, não se esqueça: o emagrecimento em humanos é um processo mais comportamental do que fisiológico e, a longo prazo, a adesão, seja ela a que tipo de plano alimentar, será a chave do sucesso. Independentemente do tipo de jejum aplicado o mais importante será sempre aquilo que vai comer nos períodos em que pode alimentar-se. Assim, se o desejar fazer, o JI deve enquadrar-se num estilo de vida saudável e deve ter em consideração que no contexto do emagrecimento, poderá ser algo a manter a longo prazo.

 

Em conclusão, o melhor plano alimentar para si será sempre aquele que consegue cumprir, inclua ele ou não, JI. Se tem dúvidas de qual a melhor opção para o seu caso, consulte um Nutricionista da Dieta3Passos® e perceba qual a melhor abordagem para si!